quarta-feira, 1 de maio de 2013

Não existe nada mais trabalhoso do que viver sem trabalhar




No dia do trabalho acho muito justo falar do Seu Madruga, visto toda a relação que ele tem com o fato de trabalhar. Para muitos, Seu Madruga é o maior vagabundo da história. Pra mim, ele é inspiração. Ele é o reflexo da honestidade, da alegria e do modo simples de viver. Ainda que a imagem dele ás vezes pareça do desempregado que não tem dinheiro pra um pirulito e viva comprando fiado na venda da esquina, Seu Madruga é multifuncional.

Precisa arrumar um sapato, ele já foi sapateiro. Tem coisa que não precisa mais, ele já trabalhou como agente especializado em compra e venda de artigos para o lar. Se quer organizar uma festa, ele é estruturador de palanque, diretor de teatro e orador, arranha um violão e canta também.

Já foi confundido com o velho do saco e vive regateando abatimento de 1 ou 2 meses de aluguel dos 14 que ele deve. Fora as cacetadas que leva, da D. Florinda e ás vezes do resto. E ainda assim continua em frente, imagino como seria o currículo dele. Seu Madruga TRABALHA, mas tipo, trabalha mesmo. Aturando crítica e pessoas que riem da cara dele. Vivendo uma experiência assim, muitos desistiriam ou como vejo por aí, carregariam no rosto o fardo que aquele trabalho representa.

Assim como nosso querido bigodudo, já vi como é trabalhoso viver sem trabalhar e ter que ter paciência com tudo e com todos. E como ele, também esbarrei em um ou outro atravanco. Pessoa ou coisa, nesse caminho do trabalho, assim como a D. Florinda debochou do saco cheio de tralha, a gente esbarra em burocracias de xérox de documentos, filas desorganizadas, atendentes mal humorados de órgãos públicos e conselhos profissionais.
Só que diferente do Seu Madruga, muito não são tão autônomos assim e topar com certas dificuldades, que nem são necessariamente dificuldades, mas má vontade alheia é realmente desanimador. Aí é nessas horas que a gente lembra da frase: “Não existe pior luta do que aquela que não se enfrenta”.

Talvez devêssemos nos mirar no exemplo, mesmo vivendo com dificuldades e descrença, Seu Madruga vive de uma forma simples, honesta e até feliz, leva cacetadas, mas nunca levantou a mão pra mulher nenhuma, mesmo tendo pouco, divide com o Chaves, quantas vezes ele não o convidou pra comer? Mesmo com a falta de dinheiro, ele conserva seu bom humor ou mau humor e sem demonstrar desespero pelas necessidades. Sem contar que as cenas de lições morais que ele dá ás crianças são as mais emocionantes do seriado.
Seu Madruga nos ensina a sermos nós mesmos, ele sendo meio carrancudo, meio sentimental, meio ranzinza conseguiu conquistar a todos. Como trabalhador, de calça, camisa surrada e all star sujo, ele protagonizou as carreiras mais inusitadas, embora mantendo o espírito do trabalho e da persistência, acho que um ótimo vídeo que mostra isso dele foi um feito por Diego Rodrigues, um garoto que faz montagens excelentes, foi um dos melhores vídeos que já vi e que marcou profundamente. Me lembrarei dele e do Seu Madruga no meu próximo 1º de maio quando estiver trabalhando e até penso em usar uma camisa com seu rosto no primeiro dia pra que lembre sempre que mesmo parecendo ruim trabalhar ás vezes, não existe trabalho ruim, porque não existe nada mais trabalhoso que viver sem trabalhar. Ensinamentos do Madruga... 


Nenhum comentário:

Postar um comentário