segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Pessoas são pessoas, negócios são negócios

 
 

Amigos, amigos, negócios á parte é uma frase que possui um sentido positivo se olhada de uma outra forma. Quando você encara um negócio como um negócio e uma pessoa como uma pessoa, está dando o valor certo a ambos. Falo isso porque muitas pessoas encaram os dois como a mesma coisa.

As novelas estão aí pra isso. “Me aproximo de você porque essa amizade me traz muitos benefícios, serei notado, visto, meus contatos serão ampliados e me tornarei mais influente”, isso é tratar uma pessoa como negócio. É ver os pesos e medidas de uma amizade, de um casamento, de uma proximidade. Tratar alguém assim talvez revele o quão racional você é e o quão chato e oco também.

Casamentos/namoro tem sido o novo relacionamento pessoa-negócio que já vi. Nem precisa casar, ás vezes no namoro se vê isso. O namorado que faz um curso importante na universidade é melhor companhia, ele precisa ser bonito e ter corpo atlético. Como eu comentei uma vez com um amigo, é aquela situação de garotas que querem um namorado que curse medicina numa determinada faculdade cuja mensalidade é R$ 3000,00 e dirija um Kia. Se o cara tem carro, tá no lucro; se trabalha, tem sucesso e um bom salário, se leva pra lugares badalados, é um super bom partido. E se ele compra alianças de compromisso então? É o auge dos lucros! Tanto que se pode ouvir das amigas que investidoras dizerem: Que sorte! Ela fez um bom negócio!

Houve um caso na minha escola, uma menina era superpopular e meio fútil, devo dizer, pois ela se achava tão multinacional que pensava ter o direito de pisar em cima das pequenas. Pois bem, ela tinha um namorado, que naquele ano, era um dos “gatos super populares” dentre as opiniões femininas (ressalto que a minha não era uma delas). Era um chamego só pelo que eu ouvia falar, contdo pelo que também soube, a multinacional passou no vestibular e quase imediatamente, trocou o “Love bonito e popular” por outro “Love bonito, popular e com carro”.

Quando você não trata as pessoas como negócio consegue sentir a bondade do coração do outro sem olhar para o que ele tem ou faz. A pessoa pode ter tudo ou nada, você sente o que ela tem por dentro. Muitas pessoas são visadas por terem muito e são consideradas “bons partidos”, mas no fundo apreciam valores humildes, da mesma forma que muitos não tem nada e acreditam os outros os apreciarão de graça, mas muitos desses possuem o coração do tamanho de uma ervilha. 

Negócio é o que eu fiz com o japa da Lan-house, onde ele aceita cobrar R$ 0,20 por folha impressa do meu TCC ao invés de R$ 0,25 á partir de 100 folhas, e ainda assim ouvi falar que foi um mau negócio pois teve gente que achou a R$ 0,12. Sentimento, ao contrário, não são cláusulas de contrato negociáveis, por isso que quando alguém diz: “Faça uma avaliação dos seus sentimentos”, chega a ser ofensivo. Sentimentos são sentidos, se eles fazem bem, você fica em paz; se fazem mal, seu coração se aperta antes mesmo de pensar na causa. Ponto final.

Tenho um amigo que tratava as pessoas como negócio, e ele passava a impressão de ser indiferente a tudo, frio e duro como a casca de uma árvore centenária. Sorte dele estar mudando, pois atraímos, na maioria das vezes, pessoas parecidas com o que demonstramos.

Eu enxergo casamentos/namoros/amizades negócio como aqueles R$ 0,02 de troco que o caixa de supermercado fica e que no fim do dia dá alguns reais ao proprietário. Pode não parecer nada, nem importar muito á princípio, porém com o passar do tempo vira uma bola e pode causar um desfalque em você, só que não um desfalque material, mas sentimental. Você faz tudo pra não se admitir quebrado, porém o melhor seria ficar só conscientemente.

 Deve-se sentir as pessoas, vê-las em seu caráter, conduta para com o próximo, bondade... o melhor talvez, seja deixar os interesses, avaliações, testes psicológicos, lucros e prejuízos para o mundo profissional e dos negócios somente.


2 comentários:

  1. Assino embaixo de tudo que vc disse...pelo menos por enquanto ainda há pouco de sentimento, mas imagino que a tendência do mundo é transformar cada vez mais tudo em negócios. Mas sigo a ideia de "amar pessoas e usar coisas e não o contrário"

    Demorei pra ler e comentar, mas ainda estou em viagem e meu acesso à net é meio limitado aqui.

    Que a gente tenha um ótimo 2013!

    Até ^^

    ResponderExcluir
  2. Muito, muito obrigada pelo comenário Will! Que 2013 seja ótimo pra gente com realização de projetos, muitos reviews e comentários XD. Tomara que esse ano o blog agrade mais ainda, e possa ser cada vez mais apreciado por todos. Bjos!

    ResponderExcluir